Confissão

Fernando Pessoa

*

O poeta é um fingidor.

Eu, Álvaro, fingi ser Pessoa,

Que, dentre tantas pessoas, fingiu ser eu —

Como se não lhe bastasse a maçada

De ser eu mesmo.

*

Anúncios