Satguru (mais um poema de Kabir)

Foto tirada no jardim de minha casa, durante o Guru Purnima de 2010

Foto tirada no jardim de minha casa, durante o Guru Purnima de 2010

A misericórdia do Satguru desvelou-me o desconhecido.

Aprendi, com ele, a ver sem olhos, a ouvir sem ouvidos,

A caminhar sem pés, a tatear sem mãos, a voar sem asas.

 

Em meditação, fui à terra onde não existe dia nem noite.

Sem beber, acalmei a sede. Sem comer, provei do néctar.

Com que palavras descreverei a indescritível maravilha?

 

Kabir diz: A grandeza do Satguru não cabe em palavras.

E imensa é a fortuna de quem ele acolhe como discípulo.

————————————————————————————————————————————————————————————

Nota

Este é mais um dos 100 poemas de Kabir, que recriei em português a partir da tradução inglesa de Rabindranath Tagore. A publicação do livro, por Attar Editorial, deverá ocorrer em breve.

Anúncios