El aguacate

Aguacate 2

Aguacate. Foto: JTA

 *

Afora algumas brincadeiras juvenis, este é o primeiro poema que escrevo em outra língua. Também começou como brincadeira, com palavras do idioma espanhol. Depois, o próprio tema lhe impôs outro rumo. A probabilidade de eu ter cometido algum erro é grande. Aos amigos que me corrigirem, desde já agradeço. Aqui vai.

*

En la cumbre de un cerro,

Como lo hizo el viejo vate,

Invoqué el gato y el perro,

Y allá me vino el aguacate.

*

Cáscara dura, pulpa blanda,

De dulzura moderada,

Sobre el suelo, sin demanda,

Su semilla fue sembrada.

*

Un pterossauro la dejó

Derribarse en tierra oscura.

Entre hierbas germinó

Y se cubrió con la blandura.

*

Así ganó el continente,

Del Atlántico al Pacífico,

Con su aceite emoliente

Y un sentido jeroglífico.

*

Aguacate, que se suele

Comer con sal o con la miel,

Si hay tomate es guacamole,

Que hace bien a hueso y piel.

*

Como el maíz o bien la papa,

Lo cultivarán los ancestros.

Tiene misterio y trae el mapa

De largos siglos ambidiestros.

*

Post seguinte
Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: