Meu credo pessoal

*CÉU
*
1. Sim, creio em uma Realidade Única — indescritível, inimaginável, inconcebível –, cujo “Sim” produz tudo o que há, e cujo “Não” impõe subtrações a esse tudo, de modo que o Um se multiplique e o Absoluto se relativize.
*
2. Sim, creio que esse Mistério Insondável manifesta-se como Pai e Mãe primordiais — existência, consciência e gozo irrestritos –, geradores incorpóreos das miríades de entes e fenômenos, inclusive dos deuses e deusas, que os antigos souberam nomear.
*
3. Sim, creio que o Amor sustenta este Cosmo, e estabelece a regra do que é regular,  e permite que a transgrida ao que é assombroso; esse Amor, que, nas palavras de Dante, move o Sol e as outras estrelas.
*
4. Sim, creio que a Terra é uma nobre morada, provedora generosa de abrigo e sustento, doadora graciosa de incontáveis belezas; e que não devemos subestimar sua importância, dizendo que é pequena e se localiza em um braço da galáxia, pois, se fosse grande ou ficasse no centro, nossa existência seria impossível.
*
5. Sim, creio no uso parcimonioso e inteligente dos recursos da Terra e na preservação de suas belezas; e que o desfrute da superabundância divina, que se derrama sobre tudo e todos, não é compatível com a iníqua e doentia apropriação e acumulação individuais de riquezas.
*
6. Sim, creio na irmandade de todos os humanos, e em nossa irmandade com todos os entes; e que as tantas ações, palavras e pensamentos maus, por piores que sejam, são apenas produtos de uma vitalidade e de uma mentalidade imaturas, cujo inelutável destino, ainda que para tanto sejam necessárias mil vidas, é amadurecer.
*
7. Sim, creio na liberdade de escolha, e que é deleitoso conviver com o diferente, pois que pobre e tedioso e triste seria se todos tivéssemos a mesma aparência, falássemos a mesma língua e cultivássemos os mesmos valores; se o Pai e a Mãe não amassem a diferença, como poderia o Cosmo existir?
*
8. Sim, creio no conhecimento e na beleza; no poder da filosofia, das ciências e das artes; na coexistência, convergência e colaboração das tradições espirituais antigas com as concepções mais modernas, entendendo a ambas como balbucios de uma jovem consciência que busca conhecer, encarando-as não como portos de chegada e referências definitivas, mas como degraus de uma escada que se espirala e ascende, rumo ao infinito.
*
9. Sim, creio na cordialidade — na interação entre corações — como paradigma das relações interpessoais; na livre circulação de pessoas e ideias, baseada no princípio de uma só e grande família humana; na superação de qualquer tipo de discriminação baseada em diferenças de gênero, raça, orientação sexual, prática religiosa, opinião filosófica, filiação política, ou o que quer que possa constituir um fator de divisão.
*
10. Sim, creio na alegria, que nos permite rir de nosso não-saber e temperar com bom-humor o espanto, de outro modo avassalador, suscitado pelo mistério da existência.
*
Anúncios
Post anterior
Deixe um comentário

1 comentário

  1. Diego Freire

     /  14 de novembro de 2017

    Encontrei um credo pra chamar de meu.

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: