O nascimento dos desejos líquidos

ÁGUA

“Água” (foto de Márcia Micheli).

*

Queria lhe entregar, coaguladas,

As espumas dos mares mais antigos.

Que você soubesse, em caixas,

Dos abismos de que dá conta o sal.

*

Recortar, em cubos, a lembrança

Da umidade de tardes estendidas,

Da ostra que vibra entre cílios,

Nostálgica de lua e oceano.

*

Preservar, geométrico, o registro

Do nascimento dos desejos líquidos,

Da memória pisciana em que mergulho,

Do labirinto de água em que me perco.

*

Nota

*

Este poema nasceu do título de um quadro de Salvador Dali. Considero o quadro muito ruim, como, de resto, toda a obra de Dali. Mas o título, “O nascimento dos desejos líquidos”, é genial. E ficou comigo desde a juventude, para se desdobrar em versos quando o sentimento latente encontrou um bom motivo para se expressar. Isso tudo aconteceu muito antes de eu saber da existência de Zygmunt Bauman.

*

Anúncios
Post anterior
Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: