Recomeçar

malevich

Kasimir Malevich: Quadrado negro sobre fundo branco. 1918.

*

“Nel mezzo del cammin di nostra vita, mi ritrovai per una selva oscura, chè la diritta via era smarrita” (Dante, La Divina Commedia)

*

“Esa hora que puede llegar alguna vez fuera de toda hora, agujero en la red del tiempo (…) (Cortázar, La prosa del observatorio)

*

Selva escura,

Noite escura da alma,

Quadrado negro sobre fundo branco.

*

Mas quantas vezes não foi preciso recomeçar?

*

Recomeçar de um imaginário zero,

Recomeçar como se não houvesse ontem,

Recomeçar como em um nascimento.

*

Emergir do fundo do poço,

Colocar o nariz fora d’água,

E constatar que se está vivo – e respirando.

*

Este pequeno eu mais uma vez recomeça.

Atirou pedras no vazio e elas lhe feriram o coração.

Agora, diz que vai recriar o mundo.

*

Renascer das cinzas,

Reencontrar o murmúrio daquele mar insone,

Reviver o assombro daquele céu faiscante.

*

Pois a cada instante uma porta se abre,

Buraco na rede do tempo,

E oferece ao olhar que busca um vislumbre do lado de lá.

*

Lanço minha garrafa ao mar,

E recolho a louça quebrada.

Embora a noite dure, sempre vem a madrugada.

*

Anúncios
Post anterior
Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: